08 julho 2016

CÂNCER - DEPOIMENTO "OU VOCÊ MUDA OU VOCÊ MORRE"


"A minha busca pela cura perpassou diversas estradas. Em vários caminhos eu encontrei pessoas de bem, com um coração generoso e disposto a me socorrer. Depois dos altos e baixos por conta do avassalador câncer que descobri no final de 2008, vivi uma montanha russa de emoções.
Em minhas peregrinações, encontrei a Dirce e o Roberto, e o tempo que pude conviver com eles e aprender sobre espiritualidade foi algo riquíssimo em minha trajetória. 
Por vezes eu quis atribuir a eles a minha cura, que se confirmou no final de 2010, quando os tratamentos convencionais já tinham se esgotado e só me restava ter fé. Entretanto, eles não cansavam de repetir "Mara, a cura está em você".
Foi um tempo importante de aprendizado, de estudos, de autoconhecimento. 
Finalmente eu entendi que a cura estava mesmo em mim, que a Dirce e o Roberto foram os instrumentos necessários para me fazerem acessar essa realidade. Sem eles eu não sei se teria acreditado que eu era capaz de sobreviver.

Hoje, tantos anos depois, dedico a minha vida a um caminho espiritual. Meus exames estão em ordem, minha saúde vai bem, e meu coração é feliz com a certeza de estar trilhando uma nova jornada, em que pessoas enfermas chegam até mim, por se inspirarem em minha história. Já perdi a conta de quantas vezes eu relatei minha vitória sobre o câncer. Hoje eu mudo meu discurso e digo, não, eu não derrotei uma doença, eu derrotei inimigos que estavam dentro de mim, minha insegurança, minha baixa autoestima, meus medos. Eu acolhi minhas dores, cuidei delas, e mais do que nunca sou grata por tudo que vivi. Sou outra pessoa, gosto mais de mim do que jamais gostei em outra época. Eu exalo gratidão e amor por tudo. Viver é uma dádiva! Nós podemos ter uma vida cheia de propósito e, ao mesmo tempo, leve. A Espiritualidade é um estado de consciência, somos nós quem fazemos nosso destino e, no meio de tantos percursos, que possamos aprender com os professores que a vida nos envia.

Vejo o quanto mudei e cresci, não só na aparência, mas realmente ninguém passa ileso depois de um câncer, ou vc muda ou vc morre. 

Fale conosco rbrvallejo@gmail.com, se for a vontade de Deus também poderá contar sua historia.

07 junho 2016

CÂNCER - VAMOS ENTENDER E CURAR

Desde tempos imemoriáveis, a melhor medicina sempre foi a preventiva. O grande alquimista Paracelso insistia: "Não se deve tratar a doença; deve-se tratar a saúde". Podemos dizer que, o melhor meio para não se apanhar uma doença, consiste em se manter saudável. Ou seja, proteger o sistema imunológico, de forma a bloquear qualquer germe ou vírus que tentar invadir nosso organismo. Pode-se pensar que seja fácil atingir tal objetivo, através de uma boa dieta, escolhendo alimentos de baixo valor de colesterol, reduzindo o consumo de carne, abstendo-se de consumir açúcar, realizando exercícios físicos, enfim, submetendo-se a tudo aquilo que uma propaganda insistente nos propõe. Mas como explicar, nesse caso, o elevadíssimo número de pessoas que seguiram rigorosamente tais instruções, julgando estar assim protegidas contra os perigos das doenças para um dia, descobrir que seu organismo estava sendo minado pelo câncer? André Luiz conta, através da psicografia de Chico Xavier que um Espírito ao preparava-se para reencarnar, pediu para seu novo corpo físico uma úlcera que apareceria em sua madureza física e que não deveria encontrar cura até sua desencarnação, para que ele pudesse ressarcir um assassinato que cometeu ao esfaquear um homem (que estava na sua madureza física) na região do estômago. Como vemos, mesmo que este Espírito cuide de sua saúde durante toda sua juventude, não fugirá da úlcera “moral” que “ele pediu”.ENTÃO, CÂNCER É UMA ENFERMIDADE CÁRMICA? A experiência diz que sim. Estamos submetidos a um mecanismo de causa e efeito que nos premia com a saúde ou corrige com a doença, de acordo com nossas ações.O CÂNCER SERIA ENTÃO O RESULTADO DE UM COMPORTAMENTO DESAJUSTADO, EM VIDAS ANTERIORES? Nem sempre. A causa pode estar nesta existência. Um exemplo: as estatísticas demonstram grande incidência de câncer no pulmão, em pessoas que fumam. Há elementos cancerígenos nas substâncias que compõem o cigarro. Quem fuma, portanto, é sério candidato a esse mal. Será o seu carma. Há uma charge ilustrativa, em que um cigarro diz para o fumante: "Hoje você me acende. Amanhã eu o apagarei!" Certíssimo!
A MEDICINA VEM DESENVOLVENDO TÉCNICAS PARA A CURA DO CÂNCER. CONCEBE-SE QUE DENTRO DE ALGUMAS DÉCADAS SERÁ POSSÍVEL A CURA RADICAL EM TODAS AS SUAS MANIFESTAÇÕES. COMO FICARÃO AQUELES QUE ESTÃO SE REAJUSTANDO PERANTE AS LEIS DIVINAS A PARTIR DE UM CARCIOMA? A medicina vem fazendo grandes progressos, mas está longe de erradicar a doença. Males são superados; outros surgem, nos domínios da sexualidade, a sífilis era um flagelo, decorrente da promiscuidade. Hoje é a AIDS. A dor, a grande mestra, que tem na enfermidade um de seus aguilhões, continuará a nos corrigir, até que aprendamos a respeitar as leis divinas. A PESSOA QUE SOFRE BASTANTE, VITIMADA POR UM CÂNCER, RESGATOU SEUS DÉBITOS, HABILITANDO-SE A UM FUTURO FELIZ NA ESPIRITUALIDADE? A doença elimina as sombras do passado, mas não ilumina o futuro. Este depende de nossas ações, da maneira como enfrentamos problemas e enfermidades. Quando o nosso comportamento diante da dor não oprime aqueles que nos rodeiam, estamos nos redimindo, habilitados a um futuro glorioso. COMO FUNCIONA ISSO? Se o paciente tem câncer, suas dores implicarão em sofrimento para a família. Tudo bem. Faz parte das experiências humanas. Mas, dependendo da maneira como enfrentar seu problema, poderá gerar aflições bem maiores para todos, o que acontece com o paciente revoltado, inconformado, agressivo. Se humilde e resignado, a família lidará melhor com a situação. Pacientes assim (resignados) estão "zerando o carma".
Como está no livro “Transição Planetária”: “Antes, porém, de chegar esse momento (de transição), a violência, a sensualidade, a abjeção, os escândalos, a corrupção atingirão níveis dantes jamais pensados, alcançando o fundo do poço, enquanto as enfermidades degenerativas, os transtornos  bipolares de conduta, as cardiopatias, os CÂNCERES, os vícios e os desvarios sexuais clamarão por paz, pelo retorno à ética, à moral, ao equilíbrio(...)

LEIA A POSTAGEM  "CÂNCER-CURA ESPIRITUAL" E PENSE

26 maio 2016

CÂNCER - ORAI SEMPRE. A CORAGEM DA FÉ

Filhos, não vos esqueçais de orar sempre. 
A oração possibilita ao homem abrandar os próprios sentimentos. 
Quem se habitua a orar não se entrega ao desespero e à revolta. 
A prece jamais é um monólogo... Pelo recolhimento íntimo na oração, a criatura conversa com o Criador, que não a deixa sem resposta. 
Ato de fé solitário, a prece exterioriza a sinceridade do filho que, reconhecendo a própria insignificância, recorre aos préstimos do Pai, que tudo pode.
Jesus orava com freqüência. Sem este contato pessoal com Deus, a crença do homem não passa de uma aparente manifestação de religiosidade. 
Os que oram nunca se fragilizam diante das lutas que faceiam.
Orai no silêncio de vossas reflexões; orai com a vossa mente e com o vosso coração. 
Buscai forças no Alto para os embates inevitáveis do caminho, repleto de urzes e de pedras. 
Orai com as vossas mãos mergulhadas na caridade; que as vossas petições sejam referendadas pelas vossas atitudes no bem dos semelhantes... A persistência da fé remove obstáculos intransponíveis.
 A oração modifica o tônus espiritual de quem, por vezes, não enxerga saída para os impasses da existência. 
Quem não ora será sempre uma presa fácil da obsessão e do desequilíbrio oriundo de si mesmo. Filhos, abençoai as vossas provas! Afagai o madeiro que vos pesa nos ombros e, sob o sol causticante de vossas dificuldades, não vos afasteis do oásis aconchegante da oração.
 A prece é o ato de humildade que mais engrandece o espírito! Sede homens de fé e de oração. Quanto maior o desafio lançado à vossa crença, mais devereis vos curvar à necessidade de orar. "Pedi e obtereis" - exortou-nos o Senhor, em suas palavras jamais pronunciadas em vão.
                                                                                      BEZERRA DE MENEZES

18 abril 2016

CÂNCER - SOBRE O SOFRIMENTO, PORQUE?

“Os sofrimentos devidos a causas anteriores à existência presente, como os que se originam de culpas atuais, são muitas vezes a conseqüência da falta cometida, isto é, o homem, pela ação de uma rigorosa justiça distributiva, sofre o que fez sofrer aos outros.”
(O Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap.V, item 7)

Certa vez, em uma roda de amigos, alguém me dirigiu uma pergunta que refletiu o nível de desinformação que as pessoas têm com relação ao Espiritismo e seus postulados. 

A questão colocada foi: Por que os espíritas gostam de sofrer?

A explicação que o amigo deu para esta pergunta, foi de que o Espiritismo mostra o sofrimento como sendo o caminho para a felicidade...E portanto, os espíritas escolhem sofrer para ganharem os céus.

Respondi que gostar de sofrer, é desvio de conduta e merece um rigoroso tratamento psiquiátrico, nenhum espírita consciente tem essa perspectiva de felicidade.

Não é o prazer pelo sofrimento que move as nossas expectativas de uma vida venturosa, e sim, entender as nossas dores, infortúnios e, dessa forma, passar pelas dificuldades sabendo, racionalmente, que estamos nos ajustando com a perfeita e irrevogável Lei de Deus.

Quando nos falta a lógica de uma explicação, podemos entender as coisas de acordo com o impacto que elas nos causam e portanto, quem não perceber a dor como um recurso de correção, vai se conflitar com sua natureza.

Todos nós que vivemos neste planeta de expiações e provas, trazemos necessidades de acertos com a Lei, carecemos de muita coragem para não renunciarmos, para não falirmos em relação ao progresso espiritual.
Muitas vezes, encontramos amigos que, na aflição de seus pensamentos desordenados, revoltam-se ao ver que indivíduos criminosos passam impunes pela vida, enquanto outros, com ótimo caráter, passam por inflexíveis provas, dolorosas, muito dolorosas.

Há um ditado, pleno da sabedoria popular, que diz: “Deus dá o frio, conforme o cobertor...” e nessa figura, vamos encontrar as respostas.

Imaginemos uma pessoa que possua débitos com a Lei de Causa e Efeito e precisa resgatá-los, o Espiritismo nos ensina que, por sermos responsáveis por nossos atos, nossos erros são irrevogavelmente ajustados e esse ajuste virá, mais cedo ou mais tarde.

A questão é que a sabedoria divina considera que qualquer ajuste, só é válido quando o individuo tem capacidade espiritual para entender o que se passa com ele, daí a falsa noção de que os bons sofrem e os maus saem ilesos.

Olhando pelo prisma da reencarnação, vamos observar que o Espírito em débito vai progredindo, melhorando sua percepção da vida e seus valores, até que, ao entender isso, começará a perceber as cobranças, as dificuldades, as provas que avaliam o quanto está atento, o que pode aceitar e, principalmente, o que está fazendo para melhorar.

Muitos não suportam, nem todos aceitam, mesmo sendo espíritas e sabendo que a dor tem suas razões...

Texto extraído do Centro Bezerra de Menezes

17 março 2016

CÂNCER - DIREITOS DOS PACIENTES

A legislação brasileira assegura alguns direitos aos portadores de câncer. A seguir, uma compilação dessas leis, apresentadas de forma didática para facilitar o entendimento e ajudar na obtenção dos benefícios. Entre esses, o saque do FGTS, a isenção do IPVA e IPI na compra de automóveis para quem tiver limitações decorrentes de alguns tipos de câncer.
DIREITOS SOCIAIS
DIREITOS - TRATAMENTO/SAÚDE
DIREITOS TRIBUTÁRIOS – ISENÇÕES
GRATUIDADE NAS TARIFAS DE TRANSPORTE INTERESTADUAL E URBANO

DIREITOS DOS PACIENTES COM CÂNCER - LEGISLAÇÃO

                                                                                  Fonte:  Fundação do câncer

17 janeiro 2016

CÂNCER - O PODER DA MENTE PARA A CURA DAS DOENÇAS

A relação existente entre a mente e o corpo é muito íntima. Quando um é afetado, o outro se ressente. O estado da mente atua muito mais na saúde do que muitos julgam. Muitas das doenças sofridas pelos homens são resultado de depressão mental. Desgosto, ansiedade, descontentamento, remorso, culpa, desconfiança, todos tendem a consumir as forças vitais, e a convidar a decadência e a morte.
A doença é muitas vezes produzida, e com freqüência grandemente agravada pela imaginação. Muitos que atravessam a vida como inválidos poderiam ser sãos, se tão-somente assim o pensassem. Muitos julgam que a mais leve exposição lhes ocasionará doença, e produzem-se os maus efeitos exatamente porque são esperados. Muitos morrem de doença de origem inteiramente imaginária.
O ânimo, a esperança, a fé, a simpatia e o amor promovem a saúde e prolongam a vida. Um espírito contente, animoso, é saúde para o corpo e força para a alma. “O coração alegre serve de bom remédio.” Prov. 17:22.
No tratamento do enfermo não se deveria esquecer o efeito da influência mental. Devidamente usada, essa influência proporciona um dos mais eficazes meios de combater a doença.
O perigo da Hipnose para a  cura
Uma forma de cura mental existe, entretanto, que é um dos mais eficazes meios para o mal. Mediante essa chamada ciência, a mente de uns é submetida ao domínio de uma outra, de modo que a individualidade do mais fraco imerge na do espírito mais forte. Uma pessoa executa a vontade de outra. Pretende-se assim poder mudar o curso dos pensamentos, comunicar impulsos que promovem a saúde, e habilitar o doente a resistir e vencer a doença.
Esse método de cura tem sido empregado por pessoas que ignoravam sua natureza e tendências reais, e que acreditavam ser ele um modo de beneficiar os doentes. Mas a assim chamada ciência baseia-se em falsos princípios. É estranha à natureza e princípios de Cristo. Ela não conduz Àquele que é vida e salvação. Aquele que atrai as mentes para si leva-as a separar-se da verdadeira Fonte de sua força.
Não é desígnio de Deus que nenhuma criatura humana submeta a mente e a vontade ao domínio de outra, tornando-se um instrumento passivo em suas mãos. Ninguém deve fundir sua individualidade na de outrem. Não deve considerar nenhum ser humano como fonte de cura. Sua confiança deve estar em Deus. Na dignidade da varonilidade que lhe foi dada pelo Senhor, deve ser por Ele próprio dirigido, e não por nenhuma inteligência humana.
Deus deseja pôr os homens em direta relação com Ele. Em todo o Seu trato com as criaturas, reconhece o princípio da responsabilidade individual. Busca estimular o senso da dependência pessoal, e impressioná-los com a necessidade de direção própria, isto é, individual. Deseja pôr o humano em ligação com o divino, a fim de que os homens sejam transformados à divina semelhança. Satanás trabalha para impedir este desígnio. Procura fomentar a confiança nos homens. Quando a mente é desviada de Deus, o tentador pode colocá-la sob seu domínio. Pode governar a humanidade.
A teoria de uma mente reger outra teve origem em Satanás, a fim de se introduzir como o obreiro principal, para pôr a filosofia humana onde se devia encontrar a divina. De todos os erros que estão encontrando aceitação entre cristãos professos, não há engano mais perigoso, nenhum mais propício a separar infalivelmente o homem de Deus do que esse. Por inocente que pareça, ao ser exercido sobre os pacientes, tende para sua destruição, e não para seu restabelecimento. Abre uma porta através da qual Satanás entrará para tomar posse tanto da mente que se entrega ao domínio de outra como da que a domina.
Terrível é o poder assim entregue a homens e mulheres maldosos. Que oportunidade proporciona isso aos que vivem de se aproveitar das fraquezas e tolices dos outros! Quantos, por meio do poder exercido sobre mentes fracas ou enfermas, encontrarão meio de satisfazer cobiçosas paixões ou ganâncias de lucro!
Existe alguma coisa melhor a fazermos do que dominar a humanidade pela humanidade. O médico deve educar o povo a volver o olhar do humano para o divino. Em lugar de ensinar o enfermo a confiar em criaturas humanas quanto à cura da alma e do corpo, deve dirigi-lo Àquele que é capaz de salvar perfeitamente a todos quantos a Ele se chegam. Aquele que fez a mente do homem sabe o que ela necessita. Unicamente Deus é quem pode curar. Aqueles que se acham
“O Senhor é a minha força e o meu escudo; nEle confiou o meu coração, e fui socorrido; pelo que o meu coração salta de prazer, e com o meu canto O louvarei.” Sal. 28:7.  Os doentes da mente e do corpo têm de ver em Cristo o restaurador. “Porque Eu vivo”, diz Ele, “vós vivereis.” João 14:19. Esta é a vida que nos cumpre apresentar aos doentes, dizendo-lhes que, se tiverem fé em Cristo como restaurador, se com Ele cooperarem, obedecendo às leis da saúde, e se esforçando por aperfeiçoar a santidade em Seu temor, Ele lhes comunicará Sua vida. Quando por essa maneira lhes apresentamos a Cristo, estamos transmitindo um poder e uma força de valor, porquanto vêm de cima. Esta é a verdadeira ciência da cura do corpo e da alma.
Simpatia como Terapia
Grande sabedoria é necessária no trato das doenças produzidas pela mente. Um coração dolorido, enfermo, um espírito desalentado, requerem um brando tratamento. Muitas vezes um problema doméstico está, como um câncer, corroendo até à própria alma, e enfraquecendo as forças vitais. Outras ocasiões é o caso do remorso pelo pecado minando o organismo e desequilibrando a mente. É mediante uma terna simpatia que esta classe de doentes pode ser beneficiada. O médico deve conquistar-lhes primeiro a confiança, encaminhando-os depois ao grande Restaurador. Se sua fé pode ser dirigida para o verdadeiro médico, e são capazes de confiar em que lhes tomou o caso nas mãos, isso trará alívio ao espírito, dando muitas vezes saúde ao corpo.
A simpatia e o tato se demonstrarão freqüentemente um maior benefício ao enfermo do que o mais hábil tratamento executado de modo frio, indiferente. Quando um médico se aproxima do leito de um doente com uma maneira desatenta e negligente, olha para o aflito com pouco interesse, dando por palavras ou atos a impressão de que o caso não requer muito cuidado, para deixar em seguida o paciente entregue a suas reflexões, esse médico causou ao doente positivo dano.
A dúvida e o desânimo produzidos por sua indiferença neutralizarão muitas vezes o bom efeito dos remédios por ele prescritos.
Se os médicos se colocassem no lugar daquele cujo espírito se acha humilhado e cuja vontade está enfraquecida pelo sofrimento, que anela palavras de simpatia e segurança, estariam mais preparados para apreciar seus sentimentos. Quando o amor e a compaixão manifestados por Cristo para com o enfermo se misturam aos conhecimentos do médico, a própria presença deste será uma bênção.
Franqueza no tratamento
A franqueza no trato com o doente lhe inspira confiança, demonstrando-se assim importante auxílio no restabelecimento. Médicos há que consideram sábia a medida de ocultar ao doente a natureza e causa da doença de que ele está sofrendo. Muitos, temendo chocar ou desanimar um paciente com a declaração da verdade, dão-lhe falsas esperanças de cura, permitindo mesmo que desça ao túmulo sem o advertir do perigo. Tudo isso é falta de sabedoria. Talvez nem sempre seja seguro, nem o melhor a fazer, explicar ao doente toda a extensão de seu perigo. Isso poderia alarmá-lo e viria a retardar ou mesmo impedir o restabelecimento. Nem pode toda a verdade ser dita àqueles cujos males são em grande parte imaginários. Muitas dessas pessoas são irrazoáveis, e não se habituaram a exercer o domínio de si mesmas. Têm fantasias peculiares, e imaginam muitas coisas irreais quanto a si mesmas e a outros. Para elas, essas coisas são verdadeiras, e os que delas cuidam devem manifestar constante bondade, paciência e tato incansáveis. Se fosse dita a esses doentes a verdade quanto a si mesmos, alguns se ofenderiam, e outros ficariam desanimados. Cristo disse a Seus discípulos: “Ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora.” João 16:12. Mas, embora a verdade não possa ser dita inteiramente em todas as ocasiões, nunca é necessário nem justificável enganar. Nunca o médico ou a enfermeira devem descer à mentira. Aquele que assim faz coloca-se em posição em que Deus não pode com ele cooperar; e, perdendo a confiança de seus clientes, está desperdiçando um dos mais eficazes auxílios para a restauração.
O poder da vontade não é estimado como devia ser. Permaneça a vontade desperta e devidamente dirigida, e ela comunicará energia a todo o ser, sendo maravilhoso auxiliar na manutenção da saúde. Também é uma potência no tratar a doença. Exercida na devida direção, dominaria a imaginação, e seria poderoso meio de resistir e vencer tanto a doença da mente como a do corpo. Pelo exercício da força de vontade no se colocar na justa relação para com a existência, o enfermo muito pode fazer para cooperar com os esforços médicos em favor de seu restabelecimento. Há milhares que, se quiserem, poderão recuperar a saúde. O Senhor não quer que estejam doentes. Deseja que sejam sadios e felizes, e devem dirigir a mente no sentido de ficar bons. Muitas vezes, os inválidos podem resistir à doença, simplesmente recusando entregar-se às doenças e deixar-se ficar num estado de inatividade. Erguendo-se acima de suas dores e incômodos, empenhem-se em útil ocupação, adequada a suas forças. Por tal ocupação e o livre uso do ar e da luz do sol, muito inválido enfraquecido haveria de recuperar a saúde e as forças.
A CURA ESTA DENTRO DE VOCÊ.
 Livro A Ciência do Bom Viver

30 dezembro 2015

CÂNCER - A FORÇA DA ORAÇÃO E A RESPOSTA DE DEUS

Insistimos em que "tudo aquilo que pedires ao Pai em oração crendo o recebereis" pois a fidelidade de Deus  foi, é e será sempre perfeita. Chamemos de oração, súplica, prese, rezar, rogativa, como for, o importante é acreditar que Ele nos escuta e atende. Façamos nossa parte.


Quando o ser humano se apercebe das infinitas possibilidades de que dispõe através da oração, conceder-lhe-á mais atenção e cuidados.

Força dinâmica, responsável pelo restabelecimento de energias, é constituída de vibrações específicas  que penetram o orante, mantendo-lhe a vinculação com as Fontes Inexauríveis de onde procedem os recursos vitais.

Em razão da intensidade e do hábito a que o individuo se permita, torna-se valioso instrumento para a conquista da paz e a preservação da alegria, nele instaurando um estado de receptividade permanente das vibrações superiores que ser encontram espalhadas no Cosmos, preservando-lhe a saúde, gerando-lhe satisfação intima e proporcionando-lhe inspiração nas mais variadas situações do caminho evolutivo.

Como consequência, nenhuma louvação, rogativa e gratidão expressas através da prece fica sem resposta adequada, desde que os sentimentos acompanham-lhe o curso oracional.
Manuel P. de Miranda