18 janeiro 2018

CÂNCER - POR QUE ADOECEMOS?

Se para nós a saúde é tão importante, e a falta dela é motivo de desestabilização, por que não nos cuidar melhor física e espiritualmente? Porque se nos perguntamos o motivo das doenças, na maioria dos casos temos como resposta os males que provocamos a nós mesmos por meio da desatenção a atitudes e pensamentos cotidianos. 

Neste vídeo que pode ser encontrado no Youtube sob o nome "Transição 245 - Por que Adoecemos" realizado pela Transição TV, encontramos magníficos esclarecimentos e muitos argumentos para meditar e analizar. 

Assista várias vezes e lembre que A CURA ESTA DENTRO DE NOS, lutarmos por uma reforma interior é o inicio da evolução e o fim de muitos sofrimentos.


Durante anos trabalhamos ajudando a encontrar a cura segundo os  merecimentos.

A cura espiritual não é um trabalho somente dos espíritos abnegados, é um trabalho em conjunto, pacientes, médicos da terra e os espíritos especializados. Todos juntos com um só objetivo, a cura Física e  Moral.

A cirurgia espiritual é de incríveis resultados, já vimos muitos milagres do Senhor, mas sempre a espiritualidade nós alerta para que advirtamos aos que querem cura e cirurgias espirituais. A palavra de Jesus nos diz:" Que queres que te faza? te cure?, estas  curado, tua Fé te salvou, Vai e não voltes a errar porque tudo voltara e pior".

Contatos: cirurgiaespiritualereforma@gmail.com

09 janeiro 2018

CÂNCER - CIRURGIA ESPIRITUAL E REFORMA INTERIOR


Imagem relacionada
É PARTE DA CURA O DESEJO DE SER CURADO Sêneca


A doença não é uma causa, é uma conseqüência
proveniente das energias negativas
que circulam por nossos organismos espiritual
e material. Em Nos Domínios
da Mediunidade, André Luiz explica que “assim
como o corpo físico pode ingerir alimentos
venenosos que lhe intoxicam os tecidos,
também o organismo perispiritual absorve elementos
que lhe degradam, com reflexos sobre
as células materiais”.

Podemos classificar as doenças em três
tipos: físicas, espirituais e atraídas ou
simbióticas.
As doenças espirituais são aquelas provenientes
de nossas vibrações. O acúmulo
de energias nocivas em nosso perispírito
gera a auto-intoxicação fluídica. No o organismo físico,
criam um campo energético propício
para a instalação de doenças que afetam
todos os órgãos vitais, arrastando um
corolário de sofrimentos.

As energias nocivas que provocam as
doenças espirituais podem ser oriundas de
reencarnações anteriores, que se mantêm no
perispírito enfermo enquanto não são drenadas.
Em cada reencarnação, já ao nascer
ou até mesmo na vida intra-uterina, podemos
trazer os efeitos das energias nocivas
presentes em nosso perispírito, que se agravam
à medida que acumulamos mais energia
negativa na reencarnação atuaI.
Já as doenças atraídas ou simbióticas
são aquelas que chegam por meio de uma
sintonia com fluidos negativos.

Durante os
momentos de indisciplina, o homem mobiliza
e atrai fluidos primários e grosseiros,
os quais se convertem em um resíduo denso
e tóxico.
Em seus tratados didáticos, a medicina
explica que, no organismo do homem, desde
seu nascimento físico, existem micróbios,
bacilos, vírus e bactérias capazes de produzirem
várias doenças humanas.

A recuperação do espírito enfermo só
poderá ser conseguida mediante a eliminação
da carga tóxica que está impregnada
em seu perispírito. Embora o pecador já arrependido
esteja disposto a uma reação
construtiva no sentido de se purificar, ele não pode se subtrair dos imperativos da Lei
de Causa e Efeito. Para cada atitude
corresponde um efeito de idêntica expressão,
impondo uma retificação de aprimoramento
na mesma proporção, ou seja, a pessoa
tem que dispender um esforço para repor
as energias positivas da mesma maneira
que dispende esforços para produzir as energias
negativas que se acumulam em seu
perispírito. A REFORMA INTERIOR.

A doutrina espírita não prega o conformismo,
por isso é lícito procurar a medicina
terrena, que pode aliviar muito e curar
onde for permitido. Se a misericórdia divina
colocou os medicamentos ao nosso alcance,
é porque podemos e devemos utilizá-
los para combater as energias nocivas que migraram do perispírito para o corpo físico,
mas não devemos esquecer que os medicamentos
alopáticos combatem somente os
efeitos da doença.

Existe sucesso na cura espiritual mais
do que pensamos ou sabemos.  O merecimento é o elemento
primordial para uma cura espiritual, além
da harmonia mental gerada pela Reforma Intima.

A cura espiritual não é um trabalho somente dos espíritos abnegados, é um trabalho em conjunto, pacientes, medicos da terra e os espiritos especializados. Todos juntos com um só obgetivo, a cura Física e a cura Moral.

A cirurgia espiritual é de incríveis resultados, já vimos muitos milagres do Senhor, mas sempre a espiritualidade nós alerta para que advitamos aos que querem cura e cirurgias espirituais. A palavra de Jesus nos diz:" Que queres que te faza? te cure?, estas  curado, tua Fé te salvou, Vai e não voltes a errar porque tudo voltara e pior".

Podes te curar, a cura esta dentro de ti.

Contatos: cirurgiaespiritualereforma@gmail.com

27 dezembro 2017

CÂNCER - CAMINHO PARA A CURA


Resultado de imagem para ano novo chico xavier

Não podemos apagar o passado de nossa história, mas podemos escrever novos capítulos, lembrando-nos do Amor, a Caridade, o Perdão e a Fé.

Reescrevamos as páginas que se acumularam em nosso interior no correr dos tempos, mudemos os erros repetidos, o temperamento belicoso, as auto obsessões que geramos sem saber porque.

"Ontem eu era inteligente, queria mudar o mundo. Hoje eu sou sábio, estou mudando a mim mesmo".

Trabalhe a mudança interior e encontrara um 2018 bem diferente, cheio de Esperança, cheio de Deus.

Lembre-se, "Deus está dentro de você e Jesus está à seu lado”.

"Cada pessoa é aquilo que crê, fala do que gosta, retém o que procura, ensina o que aprende, tem o que dá e vale o que faz"  


Textos: Chico Xavier, A. Cury
Contatos: rbrvallejo@gmail.com

22 dezembro 2017

CÂNCER - NATAL


Imagem relacionada

Abençoadas sejam as mãos que, em memória de Jesus, espalham no Natal a prata e o ouro, diminuindo a miséria e a necessidade, a fome e a nudez!...

Entretanto, se não forem iluminadas pelo amor que ajuda sempre, esses flagelos voltarão amanhã, como a erva daninha que espreita a ausência do lavrador.

Deixa que a manjedoura de tua alma se abra, feliz,
ao Soberano Celeste, para que a luz te banhe a vida.

FELIZ NATAL


16 novembro 2017

CÂNCER- O RIGOR DA LEI DE CAUSA E EFEITO

Image result for causa e efeito
A saúde é sempre o bom efeito de um proceder amoroso, bondoso e virtuoso. Já, invariavelmente, as causas de muitos males, sofrimentos, aflições e doenças encontram-se nas imperfeições do espírito eterno, que o levam ao mau uso do livre-arbítrio, manifestado através de vícios, imprevidência, intemperança, desrespeito à natureza, imoderação, descontrole da vontade e do proceder, além da satisfação exacerbada do egoísmo, do orgulho e da ambição.

Cientes da Lei de Causa e Efeito, que recompensa ou pune as nossas mínimas ações, cabe-nos avaliar sempre as conseqüências de cada ato.

Além disso, cabe-nos buscar a melhora moral, sentimental e intelectual, e viver no exercício do amor, da bondade e das virtudes, que nunca resultam em vicissitudes físicas, mentais e orgânicas.

Recebendo as conseqüências e os reflexos danosos das transgressões às Leis Divinas, somos incentivados a encontrar suas causas e a trabalhar para progredir e eliminar os efeitos amargos pelas melhorias íntimas e pelas mudanças nos comportamentos, preparando um futuro melhor.

Por isso, Allan Kardec nos alertou:

"Deus quer que todas as suas criaturas progridam e, portanto, não deixa impune qualquer desvio do caminho reto. Não há falta alguma, por mais leve que seja, nenhuma infração da sua lei, que não acarrete forçosas e inevitáveis conseqüências, mais ou menos deploráveis. Daí se segue que, nas pequenas coisas, como nas grandes, o homem é sempre punido por aquilo em que pecou."

Os bons espíritos, procuram nos alertar quanto ao rigor da Lei de Causa e Efeito. Eis, a seguir, algumas recomendações importantes ditadas por eles:

a) CUIDADO COM AS CAUSAS QUE GERAM DOENÇAS. As nossas doenças são efeitos que decorrem de causas inferiores tais como vícios, crimes, abusos, desvirtudes, invigilâncias e desequilíbrios. Preservando-nos contra esses males e persistindo nas sendas do Amor, da Bondade, da Justiça e da Sabedoria estaremos educando e evoluindo o nosso espírito. Assim, preservamos a saúde, o bem-estar e a felicidade.

"Seja na ingestão de alimento inadequado, por extravagâncias à mesa, seja no uso de entorpecentes, no alcoolismo mesmo brando, no aborto criminoso e nos abusos sexuais, estabelecemos em nosso prejuízo as síndromes abdominais de caráter urgente, as úlceras gastrintestinais, as afecções hepáticas, as dispepsias crônicas, as pancréatites, as desordens renais, as irritações do cólon, os desastres circulatórios, as moléstias neoplásticas, a neurastenia, o traumatismo do cérebro, as enfermidades degenerativas do sistema nervoso, além de todo um largo cortejo de sintomas outros, enquanto que na crítica inveterada, na inconformação, na inveja, no ciúme, no despeito, na desesperação e na avareza, engendramos variados tipos de crueldade silenciosa com que, viciando o próprio pensamento, atraímos o pensamento viciado das Inteligências menos felizes, encarnadas ou desencarnadas, que nos rodeiam.” 
(Emmanuel/ F.C. Xavier/ Religião dos Espíritos, Cap. Doenças Escolhidas)

b) A JUSTIÇA DIVINA ESTENDE-SE ÀS FUTURAS REENCARNAÇÕES. Os bons espíritos alertam-nos, desde Allan Kardec, que os efeitos decorrentes de nossas ações não se restringem ao plano espiritual, após a morte do corpo físico. Eles estendem-se até as próximas reencarnações. Portanto, nesta vida, devemos assimilar as realidades da vida eterna do espírito e da sua reencarnação e procurar gerar boas causas, que garantam bons e prolongados efeitos no campo pessoal.

"Julgávamos que o poder transitório entre os homens nos fosse conferido como sendo privilégio e imaginário merecimento, e usamo-lo por espada destruidora, aniquilando a alegria dos semelhantes... Contudo, renascemos nos últimos degraus da subalternidade, aprendendo quanto dói o cativeiro da humilhação. Acreditávamos que a moeda farta nos situasse a cavaleiro dos desmandos de consciência... Entretanto, voltamos à arena terrestre, em doloroso pauperismo, experimentando a miséria que infligimos aos outros. Admitíamos que as vítimas de nossos erros deliberados se distanciassem, para sempre de nós, depois da morte... 
Mas, tornamos a encontrá-las no lar, usando nomes familiares, no seio da parentela onde nos cobram, às vezes com juros de mora, as dívidas de outro tempo, em suor do rosto, no sacrifício constante, ou em sangue do coração, na forma de lágrimas. Supúnhamos que os abusos do sexo nos constituíssem a razão de viver e corrompemos o coração das almas sensíveis e nobres com as quais nos harmonizávamos, vampirizando-lhes a existência... 
No entanto, regressamos ao mundo em corpos dilacerados ou regressamos ao mundo em corpos dilacerados ou deprimidos, exibindo as estranhas enfermidades ou as gravosas obsessões que criamos para nós mesmos, a estampar na apresentação pessoal a soma deplorável de nossos desequilíbrios."
(Emmanuel/ F. C. Xavier/Justiça Divina, Cap. Culpa e Reencarnação)

c) CAUTELA ATÉ COM OS PEQUENOS DESEQUILÍBRIOS. Quaisquer causas, por insignificantes que pareçam, têm efeitos ou consequências correspondentes e inevitáveis. Portanto, devemos, para o bem de nossa saúde, avaliar bem os efeitos de cada atitude, evitando desequilíbrios físicos, emocionais e mentais que produzam efeitos maléficos.

"Os desequilíbrios da alma começam de quase nada, principalmente por atitudes e sentimentos aparentemente compreensíveis mas que, em muitas ocasiões se deslocam no rumo de ásperas consequências. Desconfiança. Dúvida. Irritação. Desânimo. Ressentimento. Impulsividade.

Invigilância. Amargura. Tristeza sem nexo. Grito de cólera. Discussão sem proveito. Conversa vã. Visita inútil. Distração sem propósito." 
(Albino Teixeira/F. C. Xavier e Waldo Vieira/ Ideal Espírita)

d) A LEI DE CAUSA E EFEITO PROMOVE A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO. Os efeitos perversos das causas degradantes despertam o espírito: para a necessidade de se reposicionar, mudar e evoluir; para os efeitos benéficos do amor, da bondade e das virtudes; para a importância de trabalhar para reverter um estado doentio e infeliz; para construir um futuro sadio e alegre, por boas obras; para evitar as causas que geram amarguras; e para evoluir, moral e intelectualmente, enquadrando-se e respeitando a harmonia universal e as Leis Divinas que regem a Obra da Criação.

"... o homem começa a penetrar na essência da lei de causa e efeito, encontrando em si mesmo os resultados enobrecedores ou deprimentes das próprias ações. Quando dilacerado e desditoso, grita a própria aflição, ao longo dos largos continentes do Espaço Cósmico, reunindo-se a outros culpados do mesmo jaez, com os quais permuta os quadros inquietantes da imaginação em desvario, tecendo, com o plasma sutil do pensamento contínuo e atormentado, as telas infernais em que as conseqüências de suas faltas se desenvolvem, mediante as profundas e estranhas fecundações de loucura e sofrimento que antecedem as reencarnações reparadoras; contudo, é também aí que começa, sobrepairando o inferno e o purgatório do remorso e da crueldade, da rebelião e da delinquência, o sublime apostolado dos seres que se colocam em harmonia com as Leis Divinas, almas elevadas e heróicas que, em se agrupando intimamente, tocadas de compaixão pelos laços que deixaram no mundo físico, iniciam, com a inspiração das Potências Angélicas, o serviço de abnegação e renúncia, com que a glória e a divindade do amor edificam o império do Sumo Bem, no Chamado Céu, de onde vertem mais ampla luz sobre a noite dos homens."
(André Luiz/ F.C. Xavier e Waldo Vieira/Evolução em dois Mundos)
Fonte: Doença, Cura e Saúde - G. Andrade

Contatos: rbrvallejo@gmail.com

30 outubro 2017

CÂNCER - DOENÇA, CURA E SAÚDE

Resultado de imagem para livre arbitrio

Pode parecer estranho tratar do livre-arbítrio num contexto que envolve problemas de saúde; porém, isso se justifica pela enorme interdependência entre essas duas realidades: fazendo mau uso do livre-arbítrio, ao escolhermos as sendas dos vícios, desvirtudes, excessos, ofensas, transgressões e crimes, vamos gerar males, prejuízos, moléstias, desgraças e sofrimentos físicos, morais e mentais.

Essas incursões nos inúmeros caminhos do mal, invariavelmente, geram desequilíbrios interiores, comprometem o vigor físico, alteram as funções dos sistemas orgânicos, tornando-nos enfermos.

Por isso, os bons espíritos têm nos recomendado, desde Allan Kardec, que devemos amar a nossa alma e cuidar bem do nosso corpo, sem desatender às necessidades impostas pela Natureza e sem castigá-lo com as faltas que o nosso livre-arbítrio o induz a cometer.

Além disso, O mau uso do livre-arbítrio acarreta, após a desencarnação, punições naturais no plano espiritual, bem como comprometimentos sérios para as reencarnações futuras.

Assim, o exercício do livre-arbítrio exige elevação da personalidade, da consciência e da responsabilidade, para uma perfeita avaliação dos efeitos, além do direcionamento da liberdade e da vontade para o amor, as virtudes e o bem, para evitar danos no presente e no futuro.

Por essa dádiva divina, temos a liberdade total de pensar, de sentir, de escolher e de agir. Dessa forma, desenvolvemos, no dia-a-dia, com as próprias obras, a individualidade; as faculdades, inclinações e gostos; o nosso modo de ser, viver e conviver; o nosso mundo mental, intelectual, moral, emocional e sentimental. Conseqüentemente, criamos o nosso próprio destino pessoal, feliz ou infeliz, sadio ou doente.

Só com o uso adequado do livre-arbítrio, conseguimos moldar, para melhor, a nossa personalidade;e adquirir características, pensamentos, sentimentos e preferências nobres; e incorporar, em nosso
espírito eterno, com esforço, estudo e trabalho, amor, bondade, sabedoria, educação, ciência, moralidade, dignidade, justiça, artes, experiências, responsabilidade, bons hábitos, boas aptidões e tendências, virtudes, saúde, bem estar e felicidade.

Recebemos, com justiça, as lições e as consequências naturais, de cada pensamento, sentimento e ato. Com isso, conseguimos ampliar a consciência, a compreensão, a experiência, a prudência, a responsabilidade e a liberdade. Usando bem o livre-arbítrio, respeitamos a Lei de Causa e Efeito, que, por servir de instrumento da Justiça Divina, recompensa a dignidade e as boas obras e pune as infrações à Lei. Assim, o nosso destino está sempre em nossas obras, as quais nos fazem crescer mais ou menos rapidamente, na conquista da perfeição.

O mau uso do livre arbítrio nos leva a doenças e sofrimentos. A obtenção da cura e do alívio dos
sofrimentos das doenças exigem o arrependimento, a reparação e a reeducação que nos trazem de retorno ao caminho do amor, do bem, das virtudes e da responsabilidade.

Sabendo que nunca nos será dada a missão de praticarmos fatalmente o mal, cabe-nos, sempre, não ceder às tentações e às desvirtudes, que geram doenças. Isto mesmo quando espíritos ainda imperfeitos procuram nos incitar, pelo pensamento, à imprevidência, de conseqüências nefastas.

Conhecidos os aspectos gerais, cabe-nos atentar, sempre, para cinco pontos importantes que garantem o uso correto do livre-arbítrio, com resultados venturosos na conquista de uma vida isenta de doenças e sofrimentos e cheia de saúde e felicidade:

a) Cuidarmos do corpo físico, que nos foi confiado por Deus, com todo respeito, sem castigá- -lo com enfermidades e danos decorrentes do mau uso que podemos fazer do livre-arbítrio: excessos, abusos, desvios do amor e do bem, imprevidência, ambição, vícios, orgulho, egoísmo e criminalidade.

b) Colocarmos o livre-arbítrio sob a vigilância da consciência reta e da responsabilidade. Dessa forma podemos viver o cotidiano buscando, com a vontade firme, a conquista de maior sabedoria, entendimento, amor, bondade, ciência, moral, liberdade, artes, cultura e educação.

c) Usarmos, espontaneamente, as qualidades pessoais para beneficiar os semelhantes e edificar a felicidade alheia, cientes de que determinamos, para nós próprios, através da Lei de Causa e Efeito, que representa a Justiça Divina, recompensas e venturas, saúde e felicidade.

d) Conscientizarmo-nos de que o mau uso do livre-arbítrio tem conseqüências desastrosas, imediatas ou não. Ele compromete a nossa saúde, exigindo provações e reparações no presente e nas reencarnações futuras. Por outro lado, ele pode levar a uma possível suspensão, temporária, da nossa liberdade de ação.

e) Adquirirmos uma visão da vida eterna do espírito, que abrange inclusive as encarnações passadas e futuras. Isso nos possibilita suportar com paciência, resignação e confiança, as conseqüências de atitudes infelizes, praticadas no passado, e trabalhar para a conquista de maior evolução espiritual e de uma vida melhor repleta de saúde e felicidade.

Usemos o livre arbítrio para a reforma interior e com ela vem os merecimentos e a cura.

Fonte: Doença, Cura e Saúde
G Andrade e A Caversan
Entre em contato: rbrvallejo@gmail.com

17 outubro 2017

CÂNCER - A PRECE E A REFORMA ÍNTIMA

Image result for doença e a reforma intima
No evangelho, os espíritos nos dizem:

“A forma não é nada, o pensamento é tudo.
Orai, cada um, segundo as vossas convicções
e o modo que mais vos toca; um bom
pensamento vale mais que numerosas palavras
estranhas ao coração”.

Mesmo sabendo dos benefícios e qualidades da prece, a solução de nossos problemas requer muito mais do que vontade e fé ardente.
É indispensável o esforço no sentido da melhoria íntima.

Evocar a inspiração dos bons espíritos e pensar que “eles resolvem tudo” é não assumir sua responsabilidade como parte do processo. Essa atitude tende levar à acomodação.

É necessário querer mudanças e fazê-las acontecer de forma direta, objetiva, consciente e responsável. Isto significa colocar em prática a modificação de certas atitudes, pensamentos e emoções negativas.

Revitalizar o ânimo e modificar as imagens do inconsciente que carregam tristeza, rancor, ódio, mágoa e medo é uma maneira de reorganizarmos essas emoções que nos fazem tanto mal.

Esse recondicionamento íntimo não se refere apenas ao ganho de virtudes interiores, como amar e perdoar, mas à conquista do comando consciente de nós mesmos e à descoberta dos potenciais que temos na mente, na vontade e na emoção.

Para conseguir isso, não bastam leituras e conhecimentos, é necessária a ação programada e permanente, isto é, disciplina e controle dos impulsos.

Caminhar com passos firmes assegurados na fé é imprescindível,
utilizar-se da prece durante a jornada é indispensável, mas estar atento ao lema “orai e vigiai” é prudente e de bom senso.
Ref.: O que é cura espiritual
Contato: rbrvallejo@gmail.com