11 dezembro 2011

CANCER - CONHECER-SE A SI MESMO


O que se opõe, freqüentemente, a que vos corrijais de um defeito, de um vício, de uma doença,  seguramente, é porque não vos apercebeis mesmo que o tendes. Ao passo que vedes os menores defeitos de vosso vizinho, de vosso irmão, não desconfiais mesmo que tendes os mesmos defeitos, talvez cem vezes maiores do que os deles.

Isto não é senão uma conseqüência do orgulho que vos leva, como todos os seres imperfeitos, a não encontrar nada de bem senão em vós.

Deveríeis vos considerar um pouco como se isso não fosse vós. Figurai-vos, por exemplo, que o que fizestes ao vosso irmão, foi o vosso irmão que vos fez, colocai-vos em seu lugar, que faríeis?


Respondei sem dissimulação, porque creio que quereis a verdade. Fazendo isto, estou seguro que encontrareis, freqüentemente, os defeitos que não vos apercebíeis antes.

Sede franco convosco mesmos, dai um pouco conhecimento ao vosso caráter, mas não o estragueis, porque as crianças que se estragam se tornam, freqüentemente, muito más, e aqueles que as estragaram são os primeiros a lhes sentir o efeito.

Retornai um pouco o alforje onde estão colocados os vossos defeitos e os de outrem, colocai o vosso
adiante e os de outrem para trás, e olhai bem se isso não vos faz abaixar a cabeça, quando tiverdes essa carga à frente.

Emmanuel

Nenhum comentário:

Postar um comentário