18 abril 2016

CÂNCER - SOBRE O SOFRIMENTO, PORQUE?

“Os sofrimentos devidos a causas anteriores à existência presente, como os que se originam de culpas atuais, são muitas vezes a conseqüência da falta cometida, isto é, o homem, pela ação de uma rigorosa justiça distributiva, sofre o que fez sofrer aos outros.”
(O Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap.V, item 7)

Certa vez, em uma roda de amigos, alguém me dirigiu uma pergunta que refletiu o nível de desinformação que as pessoas têm com relação ao Espiritismo e seus postulados. 

A questão colocada foi: Por que os espíritas gostam de sofrer?

A explicação que o amigo deu para esta pergunta, foi de que o Espiritismo mostra o sofrimento como sendo o caminho para a felicidade...E portanto, os espíritas escolhem sofrer para ganharem os céus.

Respondi que gostar de sofrer, é desvio de conduta e merece um rigoroso tratamento psiquiátrico, nenhum espírita consciente tem essa perspectiva de felicidade.

Não é o prazer pelo sofrimento que move as nossas expectativas de uma vida venturosa, e sim, entender as nossas dores, infortúnios e, dessa forma, passar pelas dificuldades sabendo, racionalmente, que estamos nos ajustando com a perfeita e irrevogável Lei de Deus.

Quando nos falta a lógica de uma explicação, podemos entender as coisas de acordo com o impacto que elas nos causam e portanto, quem não perceber a dor como um recurso de correção, vai se conflitar com sua natureza.

Todos nós que vivemos neste planeta de expiações e provas, trazemos necessidades de acertos com a Lei, carecemos de muita coragem para não renunciarmos, para não falirmos em relação ao progresso espiritual.
Muitas vezes, encontramos amigos que, na aflição de seus pensamentos desordenados, revoltam-se ao ver que indivíduos criminosos passam impunes pela vida, enquanto outros, com ótimo caráter, passam por inflexíveis provas, dolorosas, muito dolorosas.

Há um ditado, pleno da sabedoria popular, que diz: “Deus dá o frio, conforme o cobertor...” e nessa figura, vamos encontrar as respostas.

Imaginemos uma pessoa que possua débitos com a Lei de Causa e Efeito e precisa resgatá-los, o Espiritismo nos ensina que, por sermos responsáveis por nossos atos, nossos erros são irrevogavelmente ajustados e esse ajuste virá, mais cedo ou mais tarde.

A questão é que a sabedoria divina considera que qualquer ajuste, só é válido quando o individuo tem capacidade espiritual para entender o que se passa com ele, daí a falsa noção de que os bons sofrem e os maus saem ilesos.

Olhando pelo prisma da reencarnação, vamos observar que o Espírito em débito vai progredindo, melhorando sua percepção da vida e seus valores, até que, ao entender isso, começará a perceber as cobranças, as dificuldades, as provas que avaliam o quanto está atento, o que pode aceitar e, principalmente, o que está fazendo para melhorar.

Muitos não suportam, nem todos aceitam, mesmo sendo espíritas e sabendo que a dor tem suas razões...

Texto extraído do Centro Bezerra de Menezes